sexta-feira, 29 de maio de 2009

Quantos anos você tem?


Esse é de 6-11-2004

Agora já não tenho mais 33... hihihihi...


"Quantos anos você tem?

21. Não. Na verdade, tenho 33. A idade da sabedoria, segundo meu terapeuta.

65. Já falei, 33 mesmo! Mas, às vezes, pareço ter voltado ao tempo e ter apenas 13, 18, vinte e poucos. Tanta insegurança, medo, remorso, que esqueço já ser dona do meu nariz. E quando me sinto mais velha, com mais de 70, parece que é o fim da linha.

Não tenho 33 o tempo todo e isso me faz sentir bem.

Ninguém é o tempo todo jovem, adulto ou velho. Todos os dias nós vivemos bons e maus momentos e temos diversas reações pra cada um deles. Isso é o que nos torna tão interessantes: a peraltice e alegria da criança, o descobrimento do adolescente, a sabedoria e coragem do adulto, a paciência e ternura do idoso.

Tudo isso em uma só pessoa, tornando-a um ser humano cheio de surpresas e vida.

Agora eu tenho 33. E você? Quantos anos você tem?"

.

Comenta, vai!...
.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Tiro a roupa

Esse texto escrevi em 18-julho-2004:

Tiro a Roupa

Um dos momentos mais esperado do meu dia é o banho.
Dispo-me não só das roupas que por hora estou usando, mas também tiro minha roupa interior. Desfaço a maquiagem, solto os cabelos, mostro minhas estrias interiores. Liberto todos os meus sentimentos, meus medos, minhas alegrias, meus desejos. Naquele momento, sou apenas eu comigo mesma, sem pudores, sem bloqueios, sem ameaças, sem nada que possa me atrapalhar ou me fazer sentir mal.
No banho, penso e repenso sobre o meu dia, as burradas que dei, os prazeres que tive, os desejos mais perversos e os mais deliciosos. No banho, entrego-me ao prazer que a água quente me proporciona, ao relaxamento de cada músculo, ao toque de cada parte macia que me faz lembrar estar viva e ser mulher e poder seduzir.
Dispo meu corpo de qualquer maldade, dispo minha alma de qualquer aflição, dispo meu coração de qualquer tristeza.
Deixo a água limpa e quente purificar minhas emoções e aquecer meu coração.
Cada banho é um recomeço, uma nova pessoa sai para a vida. Tiro a roupa e me dispo para o mundo.


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Você me visitou? Deixe um cometário! Adoro saber que você passou por aqui!


.

sábado, 23 de maio de 2009

Companheira Indesejável

Achei que já tinha publicado esse texto que escrevi, mas acho que não!

Daí como o Geovani ficou achando que era mentira, segue a história verídica, com todos os detalhes... hehehehe


Escrito em 03/05/2005.

Companheira Indesejável

Ela atravessou a rua com toda a classe e elegância que tinha. Blusinha meia-manga, jaquetinha de brim, saia de brim - meia-perna, bota preta de cano alto, tudo muito elegante. O destino era a parada de ônibus, não muito elegante, mas ela estava muito segura de si.
Enquanto esperava por sua condução, notou que havia algumas baratas perambulando pela calçada, porque alguém havia colocado veneno por ali. Normal, ela não ia se deixar abater por causa daqueles seres desprezíveis, minúsculos e sem importância. Volta e meia dava uma olhadinha para baixo, para certificar-se de que elas não sairiam do seu lugar para incomodar aquela tão “classuda” moça. Sob o olhar atento de um senhor sentado, também à espera do ônibus, ela fingia não se importar com as baratas que iam e vinham, de um lado para o outro, embora estivesse com receio de uma delas resolvesse ir até onde nenhuma barata jamais esteve: suas pernas!
Passados alguns segundos após esse pensamento grotesco que tivera, Malu sentiu algo batendo em sua perna direita, o botão da saia, pensou ela, mesmo assim resolveu verificar. E eis que lá estava ela, a terrível e ameaçadora... barata! Grudada em sua meia de nylon, a barata tentava escalar a perna direita sem o mínimo pudor, sem nem ao menos pedir licença! E foi então que o desastre começou... Como se estivesse dançando uma chula ou um frevo alucinante, toda a pose de Malu foi por água abaixo. Sapateava pela calçada como se pisasse em brasa quente, tudo para se livrar da visitante indesejada.
Já mais calma, com a certeza do dever cumprido, Malu dirigiu-se para o outro lado da parada de ônibus, explicando, a todos que estavam olhando para ela sem entender nada do que acontecera, que uma barata inescrupulosa subira em sua perna, mas já estava tudo resolvido. Logo em seguida, o ônibus aguardado chegou e todos entraram, comentando sobre como são nojentos e indesejáveis esses bichinhos voadores.
Uma moça muito simpática sentou-se ao lado de Malu e foi contando sobre suas próprias experiências com as tais – as baratas!!! De repente, Malu sentiu em sua coxa esquerda, na altura do bolso da saia, um carinho delicado de perninhas que se moviam rapidamente. Apavorada, Malu deu um tapa em si mesma – no local por onde a tal movia-se – e falou para a moça ao lado:
“Ela está aqui! Dentro da minha saia!”
Um misto de horror e riso apareceu em sua face e, sem dúvidas, Malu falou para sua vizinha de banco:
“Com licença, preciso levantar e tirar essa barata daqui.”
No corredor do ônibus (quase lotado), Malu sapateava e debatia-se freneticamente, tentando assassinar a tal barata exploradora, sob o olhar espantado de todos os passageiros. Rapidamente, o cobrador do ônibus perguntou:
“O que foi que aconteceu com a senhora?”
“Uma barata!”, respondeu a moça que conversava com Malu.
“Onde?”
E, após Malu tentar várias vezes, sem sucesso, responder, apenas apontando para sua perna, a vizinha solícita cochichou no ouvido do rapaz:
“Dentro da saia dela!”
“Ah! Bom! Daí eu não posso fazer nada!”
E foi então que a galera do ônibus caiu na gargalhada. Teve até alguém no fundo do coletivo que gritou: “Então tira a saia!”, que era o que a garota queria mesmo fazer! Até já tinha pensado: “Com qual calcinha estou vestida hoje mesmo?”.
Por uns momentos, ela até pensou estar apenas inventando tudo aquilo, que não passava de um mal entendido, um fricote até. E foi então que resolveu sacudir a saia, apenas para se certificar que estava enganada. Respirou fundo, pegou a ponta da saia e chacoalhou, e foi então que... voou uma perna de barata pelo corredor afora!
Malu então suspirou, arrumou-se sem mexer muito na saia, para não correr o risco de encontrar o resto do corpo assinado dentro de sua saia, e sentou-se novamente, aguardando pela viagem mais longa do trabalho até sua casa, para chegar e encontrar a companheira indesejada lá, morta, esmagada, dentro da saia!

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Roda de Cura


Ontem à noite participei de um momento muito bacana, na Casa do Conhecimento (acesse o site deles aqui), uma Roda de Cura.

Foi uma quinta-feira pra parar e pedir ajuda aos meus guias espirituais pra que eu saiba qual caminho trilhar e não me desvirtuar desse meu traçado.

A gente vive a vida no meio de tanta turbulência, tantos afazeres, tantos horários a cumprir, que muitas vezes vamos nos deixando de lado, ou vamos tomando atalhos que acabam atrapalhando tudo.

Ta na hora de parar e deixar a voz do coração falar bem alto!

Obrigada, Kety e Jeferson, por cruzarem meu caminho num momento tão especial e importante pra mim!

Um abraço da "centopéia"! heheheh

PS.: Já que a foto tava no site e minha mão também ta ali, copiei!


.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Olha o progresso do meu quadro aí, gente!!!!


.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Gente grande


Gente grande não entende direito.

Eu fiquei adulta demais para entender.

A vida é um playground... o ato de ser humano é para crescer o espírito, para evoluir, para aprender, para se divertir e aproveitar cada minuto que não se repetirá... mas para continuar com a criança viva dentro de si.

E eu fiquei adulta demais para entender.

A partir de agora, preciso voltar a ser criança pra poder aproveitar mais, brincar mais, crescer mais, ser leve.

Sempre há tempo para voltar a ser criança!

quarta-feira, 13 de maio de 2009


Recebi este selinho da Michela Yashima, do Blog ATELIÊ DO PONTO CRUZ. Adoro passear pelo site dela e copiar os gráficos de ponto cruz, para os meus próximos projetos!! heheheh

Obrigada Michela, adorei ter recebido esse selinho!!!

As regras são:

1 - Escolher 7 amigas que se entancantam com seus trabalhos.
2 - Divulgar o selo no blog.
3 - Deixar um link do blog que indicou

Ofereço para:

1- Koisas da KK / Karina
2 - Atelier da Tininha / Cristina Tronco
3-
Ketty Tricô & Crochê / Ketty Marques
4- Sweet Tricot / Renata
5- Armazém de Idéias / Zú Leide
6- Colcha de Retalhos / Josi Susin
7- Amo Tudo que Faço / Susana

Um beijão....

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Meu quadro!!!!




Mas olha como já rendeu!!!!

segunda-feira, 4 de maio de 2009

"Uma mão suja a outra!"






Minha colega de MBA, Rochele, enviou um e-mail pra turma agradecendo uns mimos que fizemos em sua despedida para o Paraná e eu respondi comentando uma coisa que me chamou a atenção: a maneira como cada um de nós conseguiu dar uma força um para o outro.

Daí achei tão bacana falar nisso que coloquei a tal resposta aqui:

"Pois então....

a tua presença a gente até pode dar, brabo vai ser algum teacher acreditar... hehehe a gente não consegue mais enrolar a Giselda e a Cátia... hahahaha

Mas pessoal, o negócio é o seguinte:

passou o dia do sufoco, todo mundo (ou quase) entregou o projeto e ufa... vamos respirar aliviados, pelo menos até o sufoco da entrega do trabalho final. hehehe (falando nisso: mandem os questionários e as auto avaliações de carreira até o final dessa semana, pleeeease!!!).

Mas não era pra cobrar os questionários que eu queria escrever esse e-mail. Era pra agradecer mesmo. Aproveitei o gancho da Rochele.

Pois passado o tal sufoco, começam a chegar em nossas caixas de e-mail algumas mensagens de agradecimento pela ajuda na entrega do projeto. Os abraços no corredor de quem tirou alguém do aperto só pelo fato de mandar um arquivo com modelo de normas da ABNT aqui, um modelo de projeto ali, um livro emprestado acolá.

Eu acho isso bárbaro!!! Achei que essa energia movimentada em prol de cada um acabou alimentando o conjunto, mesmo que a gente não tenha se dado conta disso. Mas foi esse empenho pessoal de ajudar um aqui outro acolá que fez nossa turma ser esse sucesso após esse ano juntos.

Mesmo que não nos falemos com frequencia, estamos sempre dispostos a colaborar uns com os outros e isso, na minha opinião, foi o maior aprendizado que poderíamos ter nesse MBA de Gestão de Pessoas: que não somos uma ilha, que dependemos de todos numa equipe para que o trabalho tenha sucesso, que nossa pequena parte faz falta, sim!, que para receber resultado é preciso dividir conhecimento!!

Obrigada a todos por existirem e por fazerem parte da minha vida. Hoje e para sempre!!

Como eu disse: uma mão suja a outra!!!! hahahahah

Beijão!!

Márcia"

.

Visitas desde 25/05/2009